19 outubro, 2014

Resultados da FB 2014


Luiz Antônio Felipe [ laf@tribunadonorte.com.br]

O longo período de estiagem no semiárido nordestino não está repercutindo de forma negativa nos resultados financeiros das feiras agropecuárias. Além da Festa do Boi, encerrada hoje no parque de exposições, em Parnamirim, as feiras de Maceió e Recife estão com previsão de grande participação. A exposição potiguar, com previsão de negócios da ordem de R$ 100 milhões, terá somente nos próximos dias a conformação desse volume. Nos leilões realizados até a noite da última quinta-feira, o faturamento geral (bruto), ficou acima de R$ 3 milhões. O recorde, mais uma vez foi do leilão de cavalos quarto de milha, com R$ 1,5 milhão.

JULGAMENTO
Na pista de julgamento os ganhadores foram conhecidos logo no início da semana. A Emparn foi o melhor expositor da raça Pardo Suiça. Na raça quarto de milha, o melhor expositor e criador foi Haroldinho Bezerra. Na raça Nelore, foi José Gilmar e na Gir, Luiz Fernando de Melo.

Festa do Boi 2014







Emparn expôe suas tecnologias de produção

17 outubro, 2014

Água - dura para sempre

A quantidade de água permanece a mesma desde a formação do planeta. Ela apenas vai se reciclando. A água do suor de seu rosto pode ter sido parte de uma planta engolida por um brontossauro há 150 milhões de anos. 

Apenas 2,5 % da água do mundo é doce, e boa parte dele (2%) está congelada nos polos. Sobra 0,5 % para o consumo, mas consegui-la não é fácil. E há cada vez mais pessoas no planeta. 

A poluição atinge rios, lençois freáticos e litoral, espalhando-se pelo bairro vizinho, cidade vizinha, país vizinho... E é dessas fontes que precisamos obter novamente a água.

Com o aquecimento global, secas e enchentes ficarão mais intensas e frequentes, inclusive no Brasil. O cotidiano e os planos para o futuro terão de ser adaptados.

O surgimento da água no planeta: duas teorias
- Foi trazida pelos cometas e asteróides que caíram sobre o planeta;
- Formou-se no interior da terra e foi expelida como vapor d´água pelos vulcões.

Fonte: Planeta Sustentável

Rio Grande do Norte reconhece situação de emergência em 152 municípios

Resultado de imagem para foto de acude seco no rnA Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil reconheceu na quinta-feira (16) situação de emergência em 152 dos 167 municípios do Rio Grande Norte, em função da seca prolongada. A portaria autoriza o reconhecimento e traz a lista das cidades publicada no Diário Oficial da União.
De acordo com relatório do governo do estado, do final de setembro, a maior parte dos reservatórios do Rio Grande do Norte está com percentual de armazenamento inferior a 50% de sua capacidade máxima e, dentre esses reservatórios, há 15 açudes com armazenamento inferior a 10% da capacidade máxima.
O governo estadual informa ainda que a zona rural dos municípios permanece afetada com a falta de água para produção agrícola e pecuária, bem com para o consumo humano e animal. 
(Fonte: Agência Brasil)

16 outubro, 2014

Produção de Pintos Caipiras da Emparn

Nesse mês Outubro a Emparn dobrou a sua produção de pintos caipiras
Continuamos com as nossas rotas de entrega para Natal e Oeste todas as quintas-feiras
Fornecemos GTA, Atestado Sanitário, Nota Fiscal e assistência técnica
 
Criadores e revendedores podem fazer suas encomendas pelos telefones: 
9805-5557 - Emparn Caicó
9962-6707 - José Augusto
9979-7699 - Carlos Porto
9972-5865 - Jorge Torres, Mossoró
9963-5416 - Márcio, Cruzeta
9918-0719 - Florisvaldo, Natal

Prosa Rural‏

Prezados colegas,

O Edital do Prosa Rural se encontra aberto com prazo final de aceitação de propostas em 31/10, com as inscrições sendo feitas no endereço www.embrapa.br/prosarural. Concitamos os colegas a fazerem suas inscrições, principalmente aqueles que ainda não tiveram os resultados de suas pesquisas veiculados por esse meio.

Obrigado,

Ezequias Viana de Moura
Gerência de Transferência de Tecnologias e Comunicação

15 outubro, 2014

Leilões de bovinos na Festa do Boi - Raça Sindi é destaque

Depois de um dos leilões mais esperados da Festa do Boi, o da ANQM, realizado na noite desta terça (14) no Parque Aristófanes Fernandes, os pregões já superaram a marca dos R$ 2 milhões em arremates. A Associação Norte-rio-grandense de Criadores (ANORC) comemorou o resultado. Mais um leilão está marcado para a tarde desta quarta (15), o da ANCOC, que será realizado na área destinada aos caprinos e ovinos.

Já nesta quinta-feira (16) a grande atração do Tattersal José Bezerra de Araújo é o Leilão da Raça Sindi, animais em maior número expostos na 52º Festa do Boi. O Sindi é um animal de origem do Paquistão que se aclimatou muito bem no semiárido nordestino e é, comprovadamente, o de maior conversão alimentar. 
 
No leilão desta quinta, marcado para às 20h, serão ofertados animais dos melhores criadores da região Nordeste e Sudeste, uma excelente oportunidade para se adquirir genética de ponta. Serão 35 lotes individuais, que deverão superar a marca registrada do leilão na Festa do Boi do ano passado: R$ 500 mil em arremates.

Vaca mais alta do mundo tem 1,93 metro e vai para Guinness

Uma vaca de Orangeville, no Canadá, recebeu o título de bovino mais alto do mundo pelo Guinness World Records com 1,93 metro. As informações são do Daily Mail.

Sua dona, Patty Hanson, recebeu em mãos o título do animal esta semana. Ela é bem mais baixa que sua vaca. Aliás, Blosom, que tem 13 anos, é mais alta do que a estrela do basquete americano, Derrick Rose, que tem 1,91 metro.

Hanson conta que sabia que Blosom, da raça Holstein, é especial desde que era um bezerro e que, por isso, sempre a manteve como um animal de estimação, não tendo a enviado para o abate. “Ela é o orgulho de nossa fazenda. Gosto de mostrá-la para meus convidados e ela adora cumprimentá-los”, diz.

A vaca é tão popular que possui uma página no Facebook seguida por quase 800 pessoas (até esta quarta-feira).

De acordo com o Guinness Book, no extremo oposto está a menor vaca do mundo, chamada Blaze, com 69 centímetros de altura. Ela mora em Sanford, na Flórida, Estados Unidos.

ENGENHEIROS AGRÔNOMOS REPRESENTANTES DO CREA VISITAM SEDE DA EMPARN

Os participantes da 3ª Reunião Nacional das Coordenadorias das Câmaras Especializadas de Agronomia (CCEAGRO), que estiveram reunidos em Natal entre os dias 17 e 19 de setembro passado, visitaram a Sede da EMPARN, situada na Estação Experimental do Jiqui, no dia 19, das 14 às 16h:30, oportunidade em que lhes foram apresentado o Portfólio de tecnologias, produtos e serviços da EMPARN, falado a respeito da ração desenvolvida a partir do bagaço de caju e apresentados os projetos de ave caipira e de biotecnologia da Empresa. 

Os visitantes, que se reúnem anualmente em estados diferentes do país para discutir temas de interesse da profissão dos engenheiros agrônomos foram recepcionados por José Geraldo Medeiros da Silva – Diretor Presidente, Alexandre de Medeiros Wanderley – Diretor de Administração e Finanças, José Simplício de Holanda – Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, Guilherme Ferreira da Costa Lima – Coordenador de Produção Animal, Maria de Fátima Batista Dutra – responsável pelo Laboratório de Biotecnologia e Ezequias Viana de Moura – Gerente de Transferência de Tecnologias e Comunicação.

Sensibilizados pela situação em que se encontram as empresas de pesquisa agropecuárias do país no que se refere a recursos para contratação de pessoal técnico especializado e para o desenvolvimento das pesquisas, especialmente a EMPARN, os representantes da CCEAGRO se prontificaram a encaminhar ao governo federal uma menção de apoio a essas instituições, ressaltando o papel que vêm desempenhando para o desenvolvimento do setor primário e solicitando a adoção de políticas que garantam o aporte de recursos necessários à sua manutenção e crescimento.

Boletim Interno Emparn

14 outubro, 2014

52ª FESTA DO BOI

Teve início no dia 11/10 (sábado) a Festa do Boi 2014 na sua 52ª versão. O evento que conta
com que o Estado do Rio Grande do Norte tem na pecuária encerrar-se-á no próximo domingo
(19/10), reunindo os produtores das principais raças bovinas, ovinas, caprinas e equinas.
A EMPARN mantém sua participação levando o que melhor tem em genética animal e vegetal,
participando de leilão, torneio de pista e leiteiro com bovinos, expondo animais bovinos,
caprinos, ovinos e ave caipira, além das culturas de interesse dos produtores do Rio Grande do
Norte e de estados vizinhos.

No Leilão EMPARN e Convidados realizado no domingo (12/10) a Empresa disponibilizou 23
animais das raças bovinas Gir, Guzerá, Pardo-Suiça e Sindi, além de jumentos Pega puros e
mestiços, resultando numa venda total de R$ 84.800,00 e uma média de R$ 3.686,00 por animal,
sendo o mais caro uma vaca Sindi arrematada por R$ 9.400,00.

No julgamento da 30ª Exposição Nacional da Raça Pardo-Suiça Leiteira, encerrada ontem
(13/10), o rebanho da EMPARN manejado na Estação Experimental de Cruzeta confirmou o
excelente valor genético de seus animais tendo recebido os títulos de “Melhor Criador” e “Melhor
Expositor”. Do julgamento, conduzido pelo juiz americano da Brown Swiss Association Dave
Sprengler, participaram quase 150 animais oriundos de criatórios do Rio Grande do Norte,
Ceará, Minas Gerais e São Paulo.

Com um amplo estande na Fazendinha da Secretária de Agricultura, da Pecuária e da Pesca, a
EMPARN, ao lado da EMATER-RN, está expondo banners, cartazes, folhetos e publicações dos
principais produtos e tecnologias que desenvolveu ou recomenda.
Está fazendo sua iniciação na exposição o Laboratório de Análise de Solo, Água e Planta,
mostrando equipamentos e explicando aos produtores a importância das análises para alcançar
maior produtividade nas suas culturas.

O Laboratório de Biotecnologia tem se constituído em destaque nos últimos anos, levando
informações sobre cultura de tecidos da bananeira, expondo amostras e levando para o produtor
informações sobre a qualidade das mudas produzidas por intermédio desta técnica.

Na área de exposição de cultivos a Empresa apresenta este ano a Palma Forrageira Irrigada
Adensada, com informações sobre espécies, manejo e espaçamentos, os milhos Cruzeta e
Potiguar, o sorgo BRS Ponta Negra, gergelim, feijão Riso do Ano e sobre o sistema de produção
de mandioca adensada para produção de alimento animal, técnica que tem despertado o
interesse do produtor rural devido às altas produtividades alcançadas e a disponibilidade de
alimento durante todo o ano.

Retomando a produção de galinha caipira no final de 2013, a Empresa volta a expor o sistema
recomendado pela pesquisa, com galinheiros especialmente construídos que servem de
parâmetros para o pequeno produtor, ao tempo que disponibiliza pintos recém nascidos aos
interessados, durante todo o período da Festa do Boi.

13 outubro, 2014

Cultura do mamão ganha defensivo natural no RN

Pesquisador desenvolveu alternativa para combate à praga do ácaro rajado que atacou a região de Baraúna 

Combater as pragas sem a aplicação de defensivos químicos que custam mais e, também, podem provocar problemas no meio ambiente e na saúde do ser humano. É com base nesse princípio que o pesquisador Marcone César Mendonça Chagas, da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn e Embrapa), tem desenvolvido pesquisas na área de manejo integrado de pragas com ênfase ao controle biológico. Engenheiro agrônomo formado na Ufersa e doutor em Entomologia agrícola pela ESALQ/USP, Marcone Chagas já desenvolveu trabalhos junto às culturas do feijão, algodão, citros, coco, caju, goiaba, manga, maracujá e mamão. Recentemente, desenvolveu uma alternativa para combate à praga do ácaro rajado do mamoeiro que estava atacando o plantio na região de Baraúna. Ele fala sobre a pesquisa e os seus resultados.


Como surgiu a pesquisa para a descoberta do defensivo natural do mamoeiro?
Essa pesquisa, voltada ao controle do ácaro rajado do mamoeiro Tetranychus urticae, é parte de um projeto desenvolvido desde 2008 com suporte financeiro do BNB/Fundeci com vistas ao controle de pragas associadas a diferentes espécies frutíferas, utilizando-se extratos vegetais (óleos) e/ou óleo mineral em substituição ao controle químico convencional.

Esse defensivo é elaborado à base de quais produtos?
Os inseticidas testados no experimento de campo junto ao projeto intitulado “Utilização de extratos vegetais no controle de pragas em frutíferas” foram formulados a base óleos vegetais e/ou o óleo mineral comercial com a adição de detergente neutro (DN) a fim de possibilitar a solubilização em água. O referido projeto de pesquisa já contemplou as culturas do coco, manga, maracujá, caju goiaba e atualmente o mamão.
Foram avaliados nessa pesquisa os óleos de algodão (1,5%) + DN (1,0%), mamona (1,0%) + DN (1,0%) e neem (0,5%) comparando os seus resultados de controle com o óleo mineral agrícola (1,5%) e o controle químico adotado pelo produtor. A aplicação dos produtos se dá na forma de pulverização convencional utilizando-se pulverizador manual ou tratorizado.
As pulverizações são acionadas em função do índice de dano foliar médio(IDf) obtido quinzenalmente mediante os trabalhos de monitoramento em 25 plantas/ha. O IDf médio a partir 1,5 ácaros/folha amostrada indica o momento de pulverização com óleo vegetal.

A região de Baraúna tem hoje, aproximadamente, 3.500 hectares de mamoeiro da variedade Formosa, em irrigação. A aplicação do defensivo é em toda essa área?
Não. Ainda estamos trabalhando na linha de conscientização dos produtores no sentido de migrarem para o método agroecológico de controle dessa praga. Esse é o nosso grande desafio uma vez que a cultura do “químico” ainda prevalece para a grande maioria dos produtores rurais. Ano passado (dezembro/2013) realizamos um evento de “Dia de Campo” na área a fim de difundir a tecnologia e hoje, tem-se notícias, que outros produtores estão se apropriando da tecnologia. É um processo lento porque o usuário precisa, antes de mais nada, validar o trabalho e acreditar na pesquisa. Graças ao produtor rural que disponibilizou a área e com o tempo acreditou nos resultados, hoje ele representa o principal difusor desses resultados, isso é muito positivo.

Você vai apresentar esse trabalho quando e onde?
Os resultados, até então obtidos, têm sido apresentados em diferentes congressos nacionais e no Congresso Internacional de Entomologia (ICE) na Coréia do Sul. Os resultados mais recentes obtidos com a cultura do mamão serão apresentados no XXV Congresso Brasileiro de Entomologia a realizar-se em Goiânia, GO.

A última pulverização química da área foi feita há um ano e, com o defensivo natural em maio. Quais as diferenças em equilíbrio (aranhas e outros insetos)? em economia na despesa do produtor, entre outros efeitos positivos?
A partir dos resultados do experimento conduzido de outubro/2012 a janeiro/2013, conclui-se que o desempenho dos óleos vegetais no controle da praga, comparado ao método químico se equivalem, assim, o produtor buscou de imediato a substituição do acaricida químico por óleo agrícola comercial na dosagem de 1% obedecendo os índices médios de IDf como indicadores de pulverização. Tem-se observado um efeito residual de controle do ácaro superior a 90 dias, dependendo da época do ano. Isto significa um grande avanço no manejo dessa praga do mamoeiro uma vez que, antes dessa tecnologia, o produtor costumava praticar entre duas a três aplicações de químico por mês. Como resultado imediato da utilização de um método biológico de controle dessa praga, tem-se a redução dos custos financeiros, inexistência de contaminação dos trabalhadores rurais, manutenção dos mesmos níveis de produtividade das áreas manejadas com o controle químico e, sobretudo, a preservação ambiental e produção de um fruto agroecológico que contribui para a segurança alimentar dos consumidores.

Essa praga só dá no mamoeiro?
Não. O ácaro rajado é considerado em todo o mundo como uma das principais pragas associadas a diferentes culturas. Ataca diversas espécies vegetais cultivadas economicamente ou não, a exemplo do algodoeiro, morangueiro, roseira, tomateiro, feijoeiro, soja, pessegueiro, cucurbitáceas, mandioca, dentre outras.

É possível desenvolver defensivos naturais para outras culturas?
Sim. Desde que antes seja realizada uma pesquisa seguindo toda uma metodologia pertinente a cada cultura no sentido de assegurar a extensão dos resultados.

Jornal Tribuna do Norte

Festa do Reencontro‏

A ASSEMA estará promovendo a Festa do Reencontro dos Servidores da Extensão Rural do RN de acordo com a programação abaixo: 

Data: 18.10.2014 
Horário: 22h 
Local: Sede Social da ASSEMA em Macaiba-RN
Festa Baile: Orquestra "LOS MANOS" 
Valor da Mesa: R$ 100,00 
Reservas de Mesa: Graça Melo e Maria Lidia
Fones: 3234-9490, 3232-2254, 3232-2240, 9681-6800 e 9851-7828.

 Atenciosamente, 

Graça Melo

Água - é importante cuidar bem dela

Não falta água no nosso planeta. Mas, é, sim, um desafio administrá-la. A água que se bebe precisa ser capturada, purificada e canalizada, para que chegue às nossas casas, escolas e empresas, aos parques e estádios - onde quer que esteja o homem.

Também é necessário tratar a água que sujamos e mandamos pelo esgoto, sobretudo para garantir a nossa saúde. Esse processo todo exige esforço, dinheiro e planejamento. As mudanças climáticas tornam-no ainda mais complexo, assim como o crescimento da população, a necessidade de se ter mais comida e a urbanização veloz planeta afora.  

Daí a importância de economizar e manter limpo esse líquido precioso - que em seu formato potável, ainda em falta infelizmente, em pontos diversos do nosso país e do mundo. 

A proposta dessa série é fornecer informações gostosas de ler que permitam entender o ciclo da água, e portanto, o que se pode fazer para participar do debate com inteligência e ajudar a conservá-la. 

Fonte - Planeta Sustentável

12 outubro, 2014

Seminário e feira de peixes nativos de água doce acontecem em Cuiabá (MT)

Semana do Peixe será de 1º a 14 de setembro em Roraima (Foto: Divulgação/SFPA/RR)São esperadas cinco mil pessoas para a Feira nacional e Seminário técnico de peixes nativos de água doce que acontecem do dia 16 a 18 de outubro em Cuiabá (MT), no Centro de Eventos do Pantanal. Entre o público estão piscicultores, especialistas, fornecedores e interessados no ramo em Mato Grosso, além de visitantes de diversas regiões brasileiras e países vizinhos.

Mato Grosso está localizado na bacia hidrográfica da Amazônia, onde as condições climáticas são favoráveis e há uma rica biodiversidade. O estado ocupa o terceiro lugar no ranking nacional da produção piscícola, atrás de Santa Catarina e Paraná. Atualmente existem 950 piscicultores e cerca de 4 mil pessoas trabalham e obtêm renda por meio da produção de peixes.

A programação do seminário é integrada por painéis de debates com especialistas da área, tanto nacionais como internacionais, e apresentação de casos de sucesso por produtores. Oficinas tecnológicas, cozinha show, exposição de artes plásticas, apresentações de dança e música, exposição de peixes ornamentais e 35 estandes de fornecedores de máquinas, equipamentos e insumos fazem parte da programação de feira.

A palestra de abertura do Seminário Técnico será sobre o tema “O Aquanegócio brasileiro”, no dia 16 de outubro, às 19h30. Em seguida, as palestras serão sobre temas de produção eficiente, agregação de valor, inovações biotecnológicas, reprodução e alevinagem de peixes, panorama da industrialização, gestão e sistema de controle na piscicultura serão apresentados por especialistas e consultores.

No dia 16, a programação do seminário e da feira ocorrem até as 22h. No dia 17 e 18, a feira acontece das 18h às 22h e o seminário das 9h às 18h. O custo para empresários e produtores rurais será de R$ 150,00 e para estudantes o valor é de R$ 75,00, incluso almoço.

O evento é realizado pelo Sebrae MT, em parceria com o Senar-MT e a Associação dos Aquicultores do Estado de Mato Grosso (Aquamat). As inscrições para a feira e seminário técnico podem ser feitas pelo telefone 0800 570 0800. 
 
Colaboração: Rafson Varela dos Santos
Bacharel em Aquicultura
Mestrando em Ciência Animal - UFERSA

11 outubro, 2014

Embrapa: tropicalização do trigo é última grande fronteira do Brasil

agricultura_trigo_ (Foto: Acervo/Ed. Globo)Revista Globo Rural - A tropicalização do trigo é a última grande fronteira para a produção agrícola brasileira. A avaliação foi feita nesta sexta-feira (10/10) pelo presidente da Empresa Brasieira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes.

"O Brasil precisa aumentar a sua produção de trigo para ter um grau de liberdade maior e não ficar dependente de exportações", disse Lopes, lembrando que esse trabalho de "tropicalização" já foi feito em culturas como soja e milho. Lopes destacou que o Brasil já vem aumentando sua eficiência na produção do cereal. No entanto, disse que as pesquisas que estão sendo desenvolvidas pela empresa em parceria com o setor privado visam acelerar esse processo.

De acordo com o presidente da Embrapa, o trabalho se baseia em melhoramento genético para tolerância do trigo ao clima tropical e minimizar a incidências de doenças sem comprometer a qualidade, para o produto ser comercialmente viável.

Entre os resultados positivos no Brasil, destacou a produção de trigo na região Sul, concentrada no Rio Grande do Sul e no Paraná, além das lavouras irrigadas no Centro-oeste. "Já se produz trigo melhor que nos grandes produtores do mundo, mas o custo é alto por causa do uso da água. Temos que trabalhar isso."